top of page

A OMS vai classificar o ASPARTAME como possivelmente carcinogénico - e então?

Como são muitas as questões sobre a polémica do momento, powered by OMS como vem a ser hábito, vamos tentar perceber o que significa classificar o aspartame como “possivelmente carcinogénico”, no grupo 2B da IARC. A IARC, International Agency for Research on Cancer, é um grupo de trabalho da OMS cuja designação é explicativa da função. Classifica agentes pelo seu potencial carcinogénico de acordo com o que interpreta da evidência dos estudos em humanos, animais e in vitro. Temos o grupo 1, os carcinogénicos, o grupo 2A, provavelmente carcinogénicos, o grupo 2B, possivelmente carcinogénicos, e o 3, não-carcinogénicos. É importante perceber que a classificação nada tem a ver com a magnitude do efeito. Por exemplo, o tabaco está no grupo 1, tal como as carnes processadas, o sol, a Helicobacter pylori, bebidas alcoólicas, poluição atmosférica e a pílula. O aspartame iria entrar então para o grupo 2B, na companhia do Aloe vera e do Ginkgo biloba, por exemplo. A classificação da IARC também não tem em conta o factor exposição, dose. Se a levássemos à letra o risco de sair à rua ou de beber um copo de vinho seria incomparavelmente maior do que ingerir aspartame. A poluição e a radiação solar estão no grupo 1.


Classificar um agente no grupo 2B significa apenas que existe evidência muito limitada em animais, com doses dificilmente transponíveis para o consumo humano. Não há evidência de um efeito carcinogénico, mas a hipótese não está definitivamente excluída. Não significa que seja um agente causador de cancro, nem que represente um risco significativo. Mas estas notícias alarmam a opinião pública que do título “a OMS classifica o aspartame como possivelmente cancerígeno” entende “o aspartame causa cancro e vou morrer”. Um viés na percepção de risco que pode ter um impacto perverso. Os edulcorantes fazem bem? Provavelmente não lhes retirarás grandes benefícios. Mas a pretenção de uma dieta imaculada é uma utopia que se baseia num exagerar do papel nocivo que certos químicos representam, quando em perspectiva estamos todos os dias expostos a agentes carcinogénicos pelo simples facto de existirmos neste planeta. O #aspartame é o menor dos nossos problemas.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page